As armas que ele usou para vencer a leucemia

 

Arquivo da família.

Cinco anos já se passaram, mas algumas lembranças parecem tão recentes, como se tivesse vivido aquilo tudo ainda ontem.

Tenho um sobrinho lindo e guerreiro que lutou e venceu a leucemia. Ele viveu esse turbilhão todo há cinco anos, quando tinha pouca consciência do que estava enfrentando. No momento do diagnóstico e no decorrer do tratamento, ele tinha pouco mais de quatro anos de idade. Pequeno para passar por tanta coisa, certo? Sim, mas grande o suficiente para vencer a sua maior batalha.

Ele enfrentou um tratamento intenso e doloroso com muita energia positiva e fé. Sempre ao lado da mãe que conseguia manter o sorriso verdadeiro no rosto em todos os momentos. Eles entraram para ganhar a batalha e não aceitariam nada diferente disso. E o que isso tem de tão especial?

Enfrentar as grandes adversidades com fé e pensamento positivo faz diferença. Quem lida melhor com a situação tem mais chance de conseguir o que deseja, inclusive nos casos de doenças graves.

Na prática é assim: quando o paciente acredita que existem chances reais de cura, ele enfrenta tudo com mais disposição, aceita as orientações médicas, exames, medicações e entende que aquele é um processo. Mantêm a energia para continuar lutando. O efeito da medicação no corpo é o mesmo, mas o emocional ajuda a alavancar os resultados do tratamento para cima.

Ter fé não significa ter religião ou se apegar a uma quando a saúde fragiliza. Significa acreditar que tudo pode mudar para melhor, mantendo a esperança e a força para lutar pelo que deseja e precisa, entendendo que algumas situações fogem ao nosso entendimento e explicação, e que coisas podem acontecer sem a nossa interferência mas, ainda assim, tudo vai correr da melhor forma.

O que ele fez, mesmo com a pouca idade, foi viver cada dia com alegria e vontade de viver. Era conhecido pela equipe médica como um menino alegre e cheio de energia. Tanta energia que era possível vê-lo brincando pelos corredores do hospital. Fazia amigos rapidamente e em pouco tempo encontrou pessoas tão dispostas quanto ele a saírem dali vitoriosas. E a família? Sempre ao lado lutando e apoiando cada decisão, incentivando cada sorriso e cada iniciativa de força e positividade. Uma batalha com dificuldades enfrentadas com amor e muita energia positiva, a vontade de vencer foi maior e a conquista não demorou em chegar.

Você pode ajudar – o transplante de medula é uma das alternativas para o tratamento da Leucemia. Você pode ser um doador de medula e salvar uma vida.

Simone Steilein Nosima – Psicóloga – CRP: 08/09475

1 Comentário

  1. Eu sou a mãe desse guerreiro e passei junto cada dia dessa batalha, e não foi fácil, porém nunca desistimos! Sempre confiei muito em Deus, sabia que a minha cruz não seria maior do que eu não pudesse carregar. A Fé que eu tinha no peito era tão grande mas tão grande que não poderia ter outra resposta de Deus que não fosse a Cura! Como eu sempre digo a oração de uma mãe arrebenta as portas do céu. Hoje sou mãe de um lindo guerreiro.

Os comentários estão fechados.