Seja a mulher que você quer ser

Cada uma à sua maneira, com as suas crenças e interesses, mulheres reais, vidas reais. Você pode ser o que quiser, desde uma grande executiva ou mãe e dona de casa, na plenitude e realização das suas escolhas. São as diferenças que garantem a unidade e a individualidade.

Conquiste seu espaço e busque de viver num mundo com menos críticas e cobranças. Tenha consciência do que quer e não permita que julgamentos alheios interfiram na sua percepção e projeto de vida. Siga em frente e enfrente as situações com energia e consciência do momento, limitações e fortalezas.

Liberte-se de rótulos e expectativas, viva a sua realidade com leveza e a intensidade que ela merece. Quando decidir enfrentar seus fantasmas e lutar pelo que deseja as conquistas e a liberdade passam a ser uma simples consequência. Seu caminho suas regras, com maturidade e reflexão.

Demore-se onde quiser, viver a intensidade do momento, poder curtir com calma cada fase da vida, pular etapas que não te interessam. Fazer suas escolhas e mude de ideia sempre que quiser. Descanse quando precisar, sofra quando tiver que sofrer e retome as forças sempre, busque por elas dentro de você e não nos outros. Confie no seu instinto, dê atenção aos seus sentimentos e pensamentos.

Seja você, por você e pelos seus. Seja o que quiser, lute pelo que deseja, conheça suas fortalezas e fraquezas, faça com que elas te ajudem e não limitem suas ações. Você pode tudo, basta buscar. E quando chegar onde deseja verá que ainda existe muito para conquistar.

Simone Steilein Nosima – Psicóloga – CRP: 08/09475

Quando o cliente realmente tem razão

Quando o cliente realmente tem razão

Já passamos daquela fase em que a máxima “o cliente sempre tem razão” fazia sentido. Hoje sabemos que muitas vezes o cliente pode estar errado. Os mais variados segmentos já preparam seus funcionários para lidar com os clientes, tanto aqueles com razão e mesmo aqueles que a tem.

Oferecer qualidade no atendimento ou um bom tratamento ao cliente é considerado um diferencial. Triste, não é mesmo? Principalmente quando se imagina que o atendimento é o ponto mais fácil do negócio, afinal, não envolve insumos, nem depende de processos e várias outras ferramentas. Depende apenas de pessoas que se relacionem correta e cordialmente com as pessoas. Atitudes como ser coerente com o cliente, fornecedores e parceiros é o mínimo que todos esperam.

Hoje vamos tratar da situação com clientes que fazem compras planejadas, que já avaliaram o investimento e têm seu interesse de compra definido. Tenho certeza que você já entrou em uma loja, decidido sobre o que compraria e o vendedor ficou insistindo para levasse outro produto. Algumas vezes totalmente diferente do seu produto de interesse. Chato, não é mesmo? Ainda mais quando a insistência passa a ser invasiva e sai do controle do cliente. Imagine-se buscar um salão de cabeleireiros e pedir uma coisa e o cabeleireiro definir fazer outra? E se você não sabe o que realmente está acontecendo e vai perceber apenas quando ele termina sua obra?

O grande erro nesses casos é não perceber o cliente, seu pedido, seu perfil, sua real necessidade. Quando o cliente chega com a decisão de compra tomada, é importante ter cautela se for ofertar um novo produto e, principalmente, insistir em fazê-lo mudar seu pedido sem seu consentimento.  Respeitar a decisão do cliente compete ao vendedor, ao prestador de serviço. Para que você, vendedor, saiba se posicionar diante de um cliente que realmente tem razão.

Alguns pontos importantes diante das situações mais comuns:

  • O cliente quer um produto que não tem no estoque? Informou sobre a falta, ofereceu algo semelhante e ele descartou a oferta? Coloque-se a disposição para entrar em contato quando o produto estiver disponível. Busque em outras lojas da rede, se for possível.
  • Quando você não tem habilidade em prestar o serviço de interesse do cliente, seja sincero e avise-o, indique um colega que faça o serviço. Vender algo que sabe que não poderá entregar é um dos piores erros que pode cometer.
  • Ele quer X mas você achou que Y vai ficar melhor. Você pode sugerir Y e se ele não quiser mudar de ideia, respeite. Ele é quem terá que conviver com a escolha. Você está certo de que X não vai ficar bom? Ainda assim, é uma decisão dele.
  • O cliente provou, ficou em dúvida, mas a comissão é boa. As compras por impulso tendem a render frustração para o cliente. Quando ele sente que o vendedor não foi sincero, apenas estava interessado em fechar a venda, é provável que ele retorne à loja e busque por outro vendedor. Isto é, se ele retornar. Já quando ele percebe que o vendedor foi sincero, ele tende a retornar e procurar pelo melhor atendimento e pela melhor compra ou prestação de serviço.
  • Tom de voz e postura educada, sempre. Por mais que alguns clientes realmente te perturbem, a educação vale para todos. Se você escolheu atender o público, é preciso que desenvolva suas habilidades para isso.
  • Seu cliente te deu um feedback negativo? Avalie o que faz sentido. Ele está determinado a tentar novamente, mas certamente não para sempre. A expectativa dele é que o problema seja corrigido na próxima situação.

Seu negócio depende do cliente para se manter e por mais errado que ele possa estar, o mínimo que ele espera é receber um ótimo atendimento, com educação e respeito, ter seu pedido atendido e ser orientado da melhor maneira. Quando o cliente fica satisfeito com o atendimento e com a compra, certamente irá indicar o seu negócio para os outros.

Simone Steilein Nosima – Psicóloga e Coach – CRP: 08/09475

Homens choram sim! E isso não é sinal de fraqueza

Homens choram.

Faz poucos dias que ouvi, de um homem que eu atendo e que sofre em silêncio, como tantos outros, que ele não consegue lidar com as instabilidades da vida e do relacionamento sem sofrer. Ele relata a forma como foi educado, e como deveria ser forte e estável. Mas na verdade sente-se enganado pelos seus sentimentos.

Essa seria uma história qualquer se ela não se repetisse com muita frequência em nossa sociedade. Tenho percebido isso principalmente pela crescente procura destes homens por apoio e acompanhamento profissional. Recebo muitos deles ansiosos, preocupados com seus casamentos, sofrendo por amor e com tantas outras dores emocionais que mal posso descrever aqui. A grande questão talvez seja entender o motivo pelo qual os homens não se permitem sofrer ou demonstrar seus sentimentos.

Acredito que um pouco da base disso está na infância, desde crianças mandamos eles engolirem o choro, dizemos que homens não choram e que eles devem ser fortes. Colocamos eles em aulas de luta, proibimos o uso do rosa e não deixamos eles brincarem de boneca. Aos poucos vamos tolhendo a sensibilidade deles. Mas na verdade fazemos isso sem pensar nas consequências que eles irão enfrentar adiante. Sem imaginar como vai ser quando não conseguirem demonstrar os sentimentos quando eles perderem o emprego, se divorciarem ou perderem um ente querido.

Os sentimentos negativos fazem parte da vida, não há forma de viver sem sofrer. O importante é saber lidar com os sentimentos de uma forma adequada. Quanto mais cedo ele aprender a lidar com o sentimento melhor será. Entender que quando estamos tristes é sim possível chorar, e os homens também podem – e devem – manifestar seus sentimentos. Eles também ficam irritados, estressados, e tem depressão. Mas não há necessidade de passar por isso calado e sozinho.

A sensibilidade e demonstração de sentimentos no homem não demonstram fraqueza, mas sim uma maturidade emocional que possibilita agir de forma empática, tratar as coisas e as pessoas com mais carisma e proximidade. Mesmo com essa sensibilidade eles conseguem ser fortes e defender a família. Aliás, essa leveza traz ainda mais entendimento e possibilidades de relacionamento e demonstrações de afeto dentro do ambiente familiar.

Vale lembrar que este cenário já está mudando. Mas ainda existe um caminho a ser seguido, principalmente nessa fase de transição. Ouvir o que estes homens têm a dizer, permitir que eles sintam e possam compartilhar sobre isso. Não importa a idade, sempre é tempo de melhorar a relação e estreitar os laços. A vida nem sempre é fácil, mas pode ser mais leve quando não é necessário carregar o peso sozinhos.

Simone Steilein Nosima – Psicologia e Coaching – CRP: 08/09475

Encare a volta às aulas com tranquilidade

Volta às aulas, novas descobertas.

As férias terminaram e chegou o momento de voltar às aulas. Período de adaptação das crianças, algumas crises de choro e dificuldades para permanecer na escola. Quanto menor a idade da criança, mais difícil pode ser a adaptação. Quem é mãe ou pai sabe como este momento pode ser doloroso para nós e para eles.

Algumas vezes os filhos tendem a corresponder aos sentimentos e preocupações dos pais. Ou seja, quanto mais fortalecidos estiverem os pais, mais fácil tende a ser a adaptação e a volta às aulas. A preparação dos pais é importante para que tudo corra bem. Mesmo sendo um momento delicado é possível tomar algumas atitudes que podem facilitar e deixar tudo mais leve e tranquilo.

Com os filhos:

  1. Imagina-se que você pesquisou muito antes de escolher a escola dos seus filhos e que confie no trabalho desta equipe. Estabelecer um bom laço de confiança com a escola te ajuda a ficar mais tranquila. E quando você consegue repassar isso para seu filho ele corresponde. Quando conversar com ele fale das coisas legais que elevai viver lá, das coisas que você admira na escola e de quão divertido isso tudo pode ser. Evite falar somente das regras e normas da escola, ele vai aprender cada uma delas ao seu tempo.
  2. A confiança vai ajudar a assumir as coisas com uma leveza e positivismo. Quando levamos as coisas pelo lado negativo elas tendem a dar errado. Mas quando assumimos uma postura positiva as coisas são mais agradáveis e leves. Ao chegar na escola com seu filho comemore, comente como você acha ótimo ele poder estar ali. Sorria e demonstre para ele a alegria que sente quando ele avança no seu desenvolvimento.
  3. Converse muito, esta talvez seja a melhor forma de resolver as situações. Antes das aulas iniciarem converse com seu filho sobre o novo ano letivo. Fantasiem como será, será que o amiguinho fulano vai continuar na escola? Qual será o nome da “profe” nova? E as aulas de artes e educação física? Quantas e quantas novidades ele vai experimentar e como será fantástico passar por tudo aquilo.
  4. Mesmo que a escola não tenha uma imensa lista de material, tem uniformes e outros artigos para organizar. Convide seu filho para participar dessa organização. O cheirinho de novo ou de limpo, escolher, organizar e imaginar como será legal estar lá. É um momento para descontrair, ensinar organização pessoal e autocuidado. Além de prepararem o material ainda aproveitam o tempo juntos e a agradável conversa que ele pode proporcionar.
  5. Aproveite para comentar com seu filho sobre como era na sua escola e do que você mais gostava. Como era arrumar tudo, encontrar os amiguinhos e as professoras. Quantas experiências você viveu. Comente como você espera que ele possa ser tão feliz na vida acadêmica dele como você foi um dia. Possivelmente ao saber da sua história ele vai perceber que esta fase é boa e que boas coisas virão dali. Caso sua experiência não tenha sido boa, não comente. Ele não precisa de mais “fantasmas” neste momento e a mentira nunca cai bem.
  6. Acredito que as férias tenham sido maravilhosas. Mesmo que não tenham feito nada de especial os bons momentos que passaram juntos já deixam marcas e boas lembranças e histórias para contar. Relembre os momentos das férias, mostre as fotos e conversem sobre tudo de bom que tiveram. E como ele pode compartilhar estas experiências com os amiguinhos e professoras. Isso vai fazer com que ele tenha algo interessante para fazer na escola. Forma um vínculo entre a casa e a escola, algo positivo que ele quer compartilhar.
  7. Ver os filhos crescendo é mesmo emocionante e em alguns momentos é difícil segurar as lágrimas, se você tem este perfil seja firme e tente deixar as lágrimas para quando estiver longe dele. Quando eles percebem o sofrimento nos pais sentem-se inseguros e isso faz com que tenham receio de ficar ali.
  8. Depois que o filho desce do seu colo, ou vai correndo para o encontro da professora e dos amiguinhos não é mais o momento de abraçar forte e dizer para ficar bem. Abane e jogue um beijo, diga como o ama e tente ser positiva e alegre. Isso vai mostrar que vocês dois estão bem e que esta fase será ótima. Quando a criança sai do colo e os pais chamam de volta ela tende a sentir-se insegura, muitas crises de choro começam justamente aí.
  9. Caso seja o primeiro contato da criança com a escola, a situação é diferente. O estranhamento do local, da forma de relacionar é normal. É tudo muito novo e é normal que ela estranhe e sinta-se insegura. Ainda mais em algumas idades que sabemos que a separação dos pais é algo que perturba muito. Se este é seu caso, além das dicas anteriores, vale uma dose extra de paciência e muito amor, seguidos da confiança e da alegria.
  10. Deixe claro para seu filho que no final do dia você estará de volta para busca-lo. Comente rapidamente o que ele fará na escola, Ex: você vai brincar, vai desenhar, lanchar, brincar mais um pouco e logo em seguida a mamãe estará de volta. Caso perceba que é necessário converse com a escola e permita que ele leve um objeto de casa que o ajude a sentir-se seguro.

Estas dicas são para ajudar no processo, em alguns casos mesmo colocando tudo isso em prática ainda podem acontecer dificuldades de adaptação. Coloque-se no lugar do seu filho e tente imaginar como ele se sente. Isso vai ajudar a conseguir dar suporte para ele neste momento. Lembre-se do seu primeiro dia no novo trabalho, com novos colegas e um novo ambiente. Parece assustador, não é mesmo? É assim que ele se sente. Cada um tem seu tempo, respeitar o tempo dele e o seu é importante para que ambos consigam se adaptar bem.

Sim, a adaptação não é só para os filhos, mas também para os pais. Sentimos falta, culpa por estar longe. Dúvidas se estamos tomando a melhor decisão e se estamos fazendo aquilo certo. Para te ajudar veja algumas dicas.

Para os pais:

  1. Eles passaram as férias todas coladinhos em você. E agora estar longe deles parece uma tarefa impossível. Relacione coisas que precisa fazer quando eles estiverem na escola. Imagino que não sejam poucas. Isso vai deixar você entretido durante este período sem ficar pensando no que ele está fazendo, se está bem ou não. Caso não consiga parar de pensar ligue para a escola para confirmar como ele está. Evite ir até a escola e principalmente até a sala dele, ele pode achar que já é hora de ir para casa.
  2. Deixe ele assumir a frente quando isso for importante para ele. Isso é muito comum com crianças maiores ou aquelas que são mais “independentes”. Se ele não quer sua ajuda para achar a sala de aula nova, ok. Deixe ele seguir em frente sozinho. Vai doer sim. Mas o orgulho de ver como ele enfrenta as coisas sozinho e com garra deve ser maior do que a dor de perceber que ele não precisa mais de ajuda para resolver tudo.
  3. Ele ficará bem. Ensine ele a procurar por você quando as coisas não ficarem bem, e a vir compartilhar contigo as coisas boas da vida dele. Em algumas situações, quando eles ficam na escola e não sentem a falta dos pais, na memória logo vem um pensamento: será que ele não sente minha falta? Ele sente sim, mas vai demonstrar isso em outros momentos. Neste momento está apenas demonstrando que você o ensinou a ser forte e determinado.

Segurança e confiança para ambos, por mais que o processo possa demorar ou parecer sofrido é uma etapa importante no desenvolvimento da criança. Ele vai aprender muitas coisas e se desenvolver ao lado dos seus amigos. Apoie essa nova fase com segurança e amor, ela é o começo de uma caminhada de sucesso para vocês dois.

Simone Steilein Nosima – Psicólga e Coach – CRP: 08/09475

Disciplina Positiva: o equilíbrio entre ser firme e amável.

A educação dos filhos traz inseguranças e desafios. Cada família tem sua forma de direcionar a educação e o ideal é que seja assim. Afinal, cada família vive à sua maneira com base em suas crenças, valores e características.

O que fica evidente é que todos os pais buscam o melhor para seus filhos, e sempre com base no amor imensurável e imbatível que sentem por eles. Portando o ideal é tornar este amor a base para a educação e construção de valores.

A proposta deste texto é trazer algumas reflexões de como isso é possível:

Para educar é importante que você seja o exemplo para seu filho. Ele não precisa aceitar suas orientações como únicas e incontestáveis, mas precisa perceber o direcionamento correto na forma de ser e agir e fará isso tendo os familiares como exemplo. Seja coerente em suas ações, tenha linearidade no falar e fazer. Dedique seu tempo a ele, esteja presente nos momentos importantes e simples, transmitindo para ele os valores e princípios da família.

Dar limites é fundamental para formar uma pessoa de bem e feliz. É assim que a criança consegue conhecer e internalizar as normas e valores da família e da sociedade. Quanto mais cedo ele aprender melhor. O limite dá para a criança a segurança de saber como agir e a possibilidade de ter mais autonomia dentro das orientações passadas pelos pais.

Esteja sempre disposto a ouvir e entender seu filho. Compreender os sentimentos dele e a forma como ele lida com cada um. Algumas vezes temos a expectativa de que a criança se comporte “bem”, sem choros ou birras. Lembre-se que ele está em formação e aprendendo a se colocar e se apresentar ao mundo e a lidar com os sentimentos. Que tal dar tempo para ela aprender a lição? Esteja próximo e disponível ajudar ele a entender e encontrar formas de lidar com as dores e frustrações.

Não existe uma receita que funcione para todas as famílias. Mas existem coisas que certamente ajudam e uma delas é dar muito amor e carinho. Escute, passe tempo junto com ele, aceite suas dificuldades, coloque-se no lugar dele, seja positivo. Um ambiente leve ajuda a trazer mais tranquilidade para o desenvolvimento das crianças.

Ame acima de tudo e mesmo com todos os erros e defeitos. Não há nada melhor para a criança do que sentir-se amada e querida pelos pais. Ao orientar mantenha o equilíbrio entre a firmeza e o amor, uma educação solidificada nestas bases tende a formar indivíduos éticos e com bons valores, que irão perdurar por toda a vida.

Simone Steilein Nosima – Psicóloga e Coach – CRP: 08/09475

O que depende de você para empreender com sucesso

É preciso esforço e determinação para conquistar os resultados desejados.

Nos últimos meses muitas pessoas decidiram empreender, algumas realizando sonhos e outras para poder driblar a crise e os números do desemprego. Para todas fica uma certeza: será preciso se dedicar e se esforçar para que seu negócio evolua e se torne sustentável e rentável.  Poucas empresas nascem grandes, para a maior parte dos empreendedores será necessário um pouco de esforço e investimento para chegar onde realmente deseja. Porque para isso, precisa de um alto investimento financeiro, o que muitos empreendedores não dispõem. Na maioria dos casos, o negócio surge com uma ideia, um investimento financeiro possível, um interesse profissional e de mercado. Com o passar do tempo, cresce e toma a forma desejada.

Para tirar seu negócio do papel e dos sonho será necessário um bom planejamento, um aporte financeiro, desenvolvimento de habilidades de gestão e negócios e uma dose extra de esforço e determinação. Você deve refletir sobre seu real interesse e disponibilidade para cada fase.

Do pontapé inicial:

Criar algo do zero pode trazer insegurança e ao mesmo tempo motivação, vontade de realizar aquilo que pode ser uma mudança decisiva na sua vida profissional. Um planejamento que considere riscos e possibilidades vai te ajudar a direcionar e trabalhar as expectativas. Se você tem uma ideia do que quer, prepare um bom Plano de Negócios (você consegue encontrar alguns modelos e sugestões na internet). Ao detalhar seu plano de negócio você fará reflexões importantes sobre o que precisa e como vai fazer para viabilizar o negócio. Invista tempo e estudo nesta fase. Isso vai trazer a segurança e a percepção real que precisa antes de colocar o negócio em prática, diminuindo a chance de fazer algo por impulso ou se aventurar em algo que não te trará retorno.

O lançamento aconteceu, mas as coisas ainda não estão como você esperava. E agora?

Calma, leva um tempo para o plano começar a movimentar da forma como você imagina. Seus clientes precisam saber do seu empreendimento e da qualidade dos seus produtos, só depois disso passam a confiar e consumir seus produtos com frequência. Considere no seu planejamento um tempo de movimentação baixa e faça uma reserva financeira para isso – com toda certeza você vai precisar. O interesse surge aos poucos e, com a percepção de qualidade dos produtos e do atendimento, o cliente vai se fidelizar, considerando que ele precisa antes ter certeza de que seu produto terá sempre a mesma qualidade.

No que investir para movimentar o negócio?

Em credibilidade! Fazer isso exigirá trabalho e esforço. Não é algo que se compra pronto e depende pouco do marketing e investimento financeiro, é construído dia a dia com determinação e competências comportamentais e técnicas. O número de produtos e serviços oferecidos, a qualidade do serviço e atendimento, a manutenção e o pós-venda, tudo isso vai fazer ele definir pela primeira compra e retornar quando estiver à vontade ou sentir a necessidade. Prepare-se para crescer e manter o mesmo nível de serviço à medida que o número de clientes e vendas aumentar.

A concorrência já chegou onde você gostaria:

Olhar para o outro não deve ser mais importante e frequente do que olhar para aquilo que é seu. Cada um sabe dizer de si e do caminho que percorreu para chegar onde está. O que você pode fazer é buscar dicas e conselhos com outras pessoas que já passaram por esta fase para ver como elas conseguiram lidar com isso. Manter uma dedicação e um esforço vão valer em todas as fases.

É imprescindível trilhar o caminho que leva até lá, para conseguir chegar onde deseja. Encarar as dificuldades e desafios que encontrar, com empenho e consciência do que quer. Busque a motivação dentro de você para conseguir manter um nível de esforço que seja viável pelo tempo que precisar. Tenha perseverança e paciência para que a coisa possa tomar forma no tempo de mercado e nas possibilidades, e não somente na sua vontade de que tudo aconteça rápido. Com esforço e determinação você chegará lá. Só não vale desistir, ok?

Simone Steilein Nosima

Psicóloga e Coach

CRP: 08/09475

O natal e o luto

O natal é tempo de paz, alegria e união. Para todo lado que você olha a representação do natal está lá, em propagandas mostrando as famílias felizes, em ações voluntárias demonstrando a fé e o amor ao próximo, em confraternizações promovendo a união entre colegas e amigos. O tão famoso e comentado espírito natalino toma conta das conversas e das relações.

Porém, para algumas famílias o natal passa a ser a representação da dor e da angústia. Em meio a tantas comemorações a lembrança de quem partiu fica mais evidente, e o sofrimento pode ser inevitável. Como consequência pode vir o isolamento, a dificuldade para encarar os eventos sociais, crises de alterações bruscas de humor.

Para aqueles que convivem com uma pessoa enlutada o importante é ter empatia, entender e aceitar a dor do outro. Criar situações que façam ele se envolver em inúmeras atividades não libertará a memória das lembranças do que viveu, nem mesmo amenizará a dor da ausência. O que algumas pessoas enlutadas querem e precisam é de um momento de reflexão e isolamento. Perguntar o que a pessoa deseja como auxílio e a maneira como pretende vivenciar esse momento, sempre oferecendo a presença e o carinho.

Para a pessoa enlutada algumas percepções podem fazer diferença neste momento:

Respeite sua dor. O sofrimento da perda é real e em momentos como os eventos de final de ano realmente a memória fica mais nostálgica. Não se force uma felicidade fantasiosa para agradar os demais. Se necessário se retire por alguns instantes. Seja sincera com seus sentimentos, diga aos outros o que verdadeiramente está sentindo e solicite ajuda se necessário.

Você não é obrigado a comemorar nada. Mesmo que as pessoas próximas se reúnam se você não quiser comemorar está tudo bem. Reflita e defina sobre o que está disposto e avise os demais. Não se force além dos seus limites, mas entenda que ficar sozinho neste momento pode ser ainda mais doloroso, busque estar perto de quem ama e consegue entender e respeitar sua dor.

Você pode e voltará a ser feliz. A medida que for trabalhando e elaborando o luto ele passa a ter uma outra representação e um outro sentimento. A dor diminui e ficam as boas lembranças, os bons momentos repletos de carinho e amor. E quando você voltar a se sentir feliz no natal não se sinta culpado. O respeito por quem partiu não está marcado pela dor, mas sim pelas lembranças boas e pelo afeto que permanece.

Faça sua homenagem a quem partiu. Respeitando sua crença ou sua religião, considerando a forma como você e a pessoa viviam, tenha um momento para homenagear de uma maneira representativa e que possa acolher seu sentimento e acalentar sua dor. Realmente é muito triste não ter a pessoa perto fisicamente, uma homenagem vai te ajudar a manter as boas memórias, a proximidade emocional e o carinho.

O tempo não cura a dor, ele traz a possibilidade da pessoa se reequilibrar emocionalmente. Então a ideia de que com o passar do tempo o sofrimento será amenizado nem sempre é real. Algumas pessoas têm grande dificuldade em lidar com a perda e acabam sofrendo por longos anos. Cabe aqui um suporte de um profissional, mas é importante que os amigos e familiares estejam atentos ao sofrimento. Perceber e respeitar o que sente é fundamental para passar por esta fase tão dolorosa.

“Você marcou a minha vida, viveu morreu na minha história, chego a ter medo do futuro e da solidão que em minha porta bate” Musica: Gostava tanto de você.

Simone Steilein Nosima

Psicóloga e Coach

CRP: 08/09475

Cuide da sua força interior!

 

“Não existem limites para os meus sonhos, eu posso realizar aquilo que desejo e muito mais”! Espero que esta perspectiva possa te acompanhar por um longo período. Não temos limites, pois temos a possibilidade de gerar internamente uma força motivadora tão grande, capaz de nos levar além dos nossos sonhos. E isso permite que possamos evoluir constantemente, ampliar conhecimentos, melhorar perspectivas e se transformar. Uma revolução interna tão poderosa que permite que nosso futuro se apresente de uma maneira surpreendente.

A cada novo ciclo abrem-se novas possibilidades. Uma mudança de fase, as vezes física, outras vezes de maturidade emocional. Que traz dentro dela a necessidade da aprendizagem, uma nova forma de se relacionar com o seu antigo Eu, uma nova possibilidade de vivenciar situações simples do dia a dia e uma nova gama de experiências.

Algumas passagens de tempo são bem marcadas e definidas, infância – adolescência e vida adulta. Entrada na universidade, formatura, entrada no mercado de trabalho e mais adiante a aposentadoria. E em cada uma destas fases você irá vivenciar algo novo. E neste momento, a possibilidade de evoluir e de se reinventar. De crescer além do casulo, de buscar e conquistar coisas que na fase anterior pareciam inatingíveis.

Para evoluir você não precisa necessariamente passar por dificuldades, você precisa sim aprender a cuidar da sua energia interna, da sua motivação. Buscar dentro de você seus sonhos e desejos, encontrar o caminho que deve trilhar para chegar onde tanto quer. Evoluir para ser melhor do que ontem, e manter-se em crescimento para poder conquistar e ir além. A ação é o que vai determinar sua evolução, e suas conquistas. Um cuidado com quem você é, e com quem você quer ser. Esta força interna, quando bem cultivada, te leva além. Dando disposição e energia para enfrentar tudo o que vier, para lutar, para planejar e buscar mais.

A sua evolução vai passar pelo seu autoconhecimento, olhar para as limitações e encontrar uma forma de ultrapassar as barreiras. Com planejamento e determinação você pode transpor obstáculos e superar-se. Quando você aceita olhar para suas principais características, de uma forma bastante coerente e sincera, você abre espaço para sua transformação. O primeiro passo da mudança passa pela consciência que você tem de você mesma.

Outro ponto fundamental para cuidar da sua energia interna, da sua motivação, é pensar positivo. A partir do momento que você se permite olhar o mundo de uma forma positiva, cuidando do que te faz bem, você passa a acolher seus desejos, dando a eles a possibilidade de crescerem dentro de você, de tomarem forma e assim passarem de sonhos a realidade. Já o pensamento negativo coloca suas perspectivas no plano do impossível, e neste plano há pouca motivação para batalhar e conquistar. Pensar positivo pode sim te ajudar a evoluir, e muito.

Pensar, imaginar, criar e buscar competências para ir além. Agir! Seguir na direção que deseja. Ir em frente com disposição para enfrentar o que vier. Cuidar da capacidade de ter motivação e disposição. Buscar dentro de você sua melhor versão e fazer o que for possível para melhorá-la sempre. Afinal, o seu futuro está em suas mãos. Conquista quem faz!

Simone Steilein Nosima

Psicóloga e Coach

CRP: 08/09475

Foi demitido? Veja o que fazer para retornar ao mercado de trabalho

procurando-emprego

A crise econômica fez com que um grande número de empresas tivesse que demitir uma parcela significativa de funcionários. Pessoas com muitos anos de empresa, em vésperas de se aposentar, especialistas ou recém-contratados. A crise não poupou nenhuma área ou categoria. Mesmo que você não tenha entrado nas estatísticas, é provável que conheça alguém que tenha sido demitido.

Mas, fique tranquilo. Assim como na sua empresa, muitas delas consideraram questões como salário, manutenção de contrato com clientes, demandas de trabalho e projetos. Muitas pessoas altamente qualificadas foram demitidas este ano. Caso você tenha sido demitido, não passe a acreditar que está desqualificado ou que não possui a competência que o mercado procura.

Este é um ótimo momento para poder avaliar os rumos da sua carreira. Aquele projeto de mudança que não parecia coerente há meses, agora pode ser uma alternativa bem interessante. Defina suas metas e objetivos profissionais para os próximos 5 e 10 anos. Avalie qual é o emprego que te coloca diante dos seus objetivos. É nele que você deve focar. Busque vagas nesta área e se dedique a desenvolver seu perfil.

Para quem pensa em concurso público vale lembrar que o tempo de estudo pode variar de meses a anos, dependendo do curso desejado e do número de concorrentes. É preciso dedicação e disciplina para estudar e um projeto de suporte financeiro para poder manter a estrutura da casa e da família funcionando minimamente bem nesse período.

Busque uma atualização. Com poucas vagas e muitos profissionais disponíveis, você pode e deve trabalhar os seus diferenciais. Mas lembre de que só o desempenho técnico não será suficiente, é preciso trabalhar suas questões comportamentais para conseguir uma vaga que te agrade e te agregue. Veja o que o mercado está buscando e qual a sua defasagem. Desenvolva seus conhecimentos e habilidades para ter melhores chances de recolocação.

Muitas pessoas foram demitidas e outras tantas continuam empregadas ou possuem bons contatos profissionais. Acionar sua rede de contatos também pode ajudar a saber quais são as empresas que estão contratando. Muitas empresas aceitam indicação de profissionais e aproveitar os contatos pode te ajudar a acelerar a recolocação ou, ao menos, perceber o perfil de trabalhador que as empresas estão buscando.

Não perca tempo e encaminhe logo seu currículo para avaliação. Lembre de que você não está em férias. Por mais tentador que pareça pegar o dinheiro da rescisão e curtir uma folga com a família, é melhor arregaçar as mangas e buscar um trabalho o quanto antes. Afinal, você não sabe o tempo que vai demorar a encontrar uma vaga na sua área e o dinheiro pode não durar como você imagina. Depois de conseguir uma vaga, em um ano você poderá tirar suas férias, relaxando de verdade, com a garantia de um emprego para retornar após o merecido descanso.

Para muitas carreiras a recolocação é mesmo um processo delicado. Algumas áreas são tão restritas que, mesmo numa cidade grande, as vagas oferecidas são poucas. E, se o seu caso for esse, avalie as possibilidades de mudar de área ou mesmo de empreender. Para isso, é necessário um ótimo planejamento. Colocar todas as possibilidades e riscos num papel e refletir muito sobre sua proposta de negócio, para que ele seja um sucesso.

Em quaisquer dessas situações, aprenda a controlar a ansiedade no momento das buscas e das entrevistas. Por mais difícil que esteja o cenário e o momento econômico, é possível que muitas pessoas consigam se recolocar em breve. Quanto mais equilibrado você estiver, melhor será para escolher os rumos da carreira e demonstrar para a empresa suas competências e o quanto você vai agregar. Trabalhe seu perfil e fique atento às ofertas de vagas. Enquanto a oportunidade não aparece, defina rumos para sua carreira e finanças.

 

Simone Steilein Nosima

Psicóloga e Coach

CRP: 08/09475

Seja bem vindo!

Happy young woman sitting on couch and working on tablet pc

Você pode até não perceber, mas em tudo o que faz tem um pouco de loucura, tem muito de sentimento e tem uma grande parcela de Psicologia. É assim mesmo. A cada passo que damos, temos a opção de escolher o caminho que vamos seguir e temos aí mais um pouco de Psicologia.

Este espaço foi criado para trazer para você mais informações sobre Psicologia e Saúde, desmistificando a crença de que psicólogo é coisa de louco. Coisa de louco é não se conhecer e não ter a percepção da amplitude que um ato incoerente pode provocar na sua vida.

De uma forma leve e simplificada, junto com convidados, vou trazer esta área tão abrangente e com tantas possibilidades como a Psicologia para o seu dia a dia.

E quem sou eu? Sou Simone Steilein Nosima, psicóloga e coach, com mais de 13 anos de formação na área e fundadora da Clínica Evoluti, um espaço pensado e preparado para acolher e cuidar das dores emocionais e da transformação positiva de quem me procura. Também, co-criadora de blogs e idealizadora do Programa Corpo, Mente e Estilo, um programa multidisciplinar criado para possibilitar uma transformação completa para você, considerando suas questões emocionais, sua saúde e a forma como você transmite isso. Sou esposa, mãe, empresária, amiga e tantas outras coisas que me proporcionam uma vida normal, como a sua e a de tantas outras pessoas.

A partir de agora, acompanhe as postagens e preste atenção no seu dia a dia! As dúvidas surgirão naturalmente e você perceberá as atuações da Psicologia diferentemente das outras pessoas. Estarei aqui para tentar amenizar estas questões. Envie suas sugestões de pauta e dúvidas pelo e-mail simone@clinicaevoluti.com.br.

Vamos juntos!

Com carinho,

Simone Nosima

Psicóloga e Coach

CRP: 08/09475